Visão hermenêutica da literatura e da clínica, A

R$73,00

Através do estudo de Fernando Pessoa, Dostoievski e Adélia Prado

livreto + 3 CDs de áudio MP3

livreto + 3 CDs de áudio MP3

Aulas ministradas em abril e maio de 2009,  a saber: 22 de abril: Fernando Pessoa: Poesia e Verdade
29 de abril Dostoievski: precursor da  investigação do inconsciente
6 de maio: Método Hermenêutico: a singularidade de  Adélia Prado

Duração total: 5 horas e 39 minutos  
Este grupo de aulas tem o objetivo de mostrar a aplicação do método hermenêutico à literatura e à clínica. O primeiro autor a ser estudo foi Fernando Pessoa. Sabemos não existir Gilberto Safra sem Dostoievski como seu formador e inspirador. Esta aula sobre Dostoievski toca em temas que  não haviam ainda sido abordados por Gilberto Safra em outras aulas sobre este autor.  E finalmente temos a aula sobre Adélia Prado, precedida por uma síntese muito útil sobre o método hermenêutico para estudo dos textos literários ou da fala dos pacientes. Trecho inicial da aula sobre Fernando Pessoa
Neste módulo Poesia e literatura iniciaremos com o estudo de Fernando Pessoa. Antes é importante refletir sobre o lugar da literatura e da poesia como forma de conhecimento.  Habitualmente,  a partir Renascimento, algo que se passou  na história da humanidade. É que até então a verdade e o conhecimento eram fruto de uma revelação ou de um conhecimento a respeito do divino. A partir do Renascimento, mais e mais ocupa um lugar fundamental a razão humana, na questão do conhecimento. Antes tínhamos uma visão essencialmente teocêntrica e agora teremos um movimento em que o homem se outorga a conhecer a respeito da vida, da existência e do cosmos a partir da sua razão. Antes o critério da verdade era a verdade outorgada por um ser divino. A revelação provindo de Deus era a verdade. A razão  tornando-se instrumento de conhecimento da realidade e do ser, a conseqüência que surge é a de como validar o conhecimento. Como considerar que ele é válido e não, ilusão, conjectura, expressão subjetiva? A partir daí se desenvolve o que se chamaria de metodologia científica para validar o conhecimento. Trecho inicial da aula sobre Dostoievski
Hoje vamos conversar sobre concepções de homem e adoecimento em Dostoievski.  É importante conversar sobre ele, porque é impensável um psicólogo que não tenha lido Dostoievski. Ele é parte das leituras obrigatórias do curso de Psicologia. Não só pela importância dele na literatura mundial, mas porque se pode perceber nos seus trabalhos uma perspicácia psicológica de grande profundidade. Ele faleceu em 1881, mas podemos encontrar na sua obra, no modo como trata os personagens, muito das colocações que vamos encontrar no inicio do século 20 em psicologia. Embora Freud, em 1900, por meio do livro Interpretação dos Sonhos, tenha assinalado um caminho de investigação do inconsciente, podemos encontrar elaborações e focalizações do inconsciente por Dostoievski. È fundamental de ser lido, pois ele conhece em profundidade os abismos da aula humana e ocupa um lugar fundamental na história da literatura. Na literatura moderna de fato Dostoievski assinala pontos  que se abrem para tudo que se faz em literatura ainda hoje. Outra faceta importante diz respeito a que ele não só escreveu romances, mas foi editor de um jornal nos últimos anos de sua vida em que apresentava textos em que discutia as mais diferentes situações que observava e tratava. Não temos ainda nada traduzido destes textos. Esse jornal se intitula Diários de um escritor e só existe em inglês ou francês. Trecho inicial da aula sobre Adélia.
A possibilidade de ouvir o texto de um autor é muito interessante também como exercício clínico. Uma das perspectivas fundamentais da situação clínica é que de fato nós consigamos ir desenvolvendo a possibilidade de acompanhar a fala do Outro e acolher esta fala na sua singularidade. Todos nós falamos português. No entanto o que se pode observar é cada um de nós tem um acesso a língua muito peculiar e pessoal. Corresponde a nossa maneira de falar um vocabulário. Emprestamos às nossas palavras valores, significados e sentidos muito diferentes das outras pessoas. Embora cada um de nós fale a mesma língua, reconhecemos que cada um tem um idioma pessoal, que acontece em meio àquela língua. Um dos elementos interessantes da situação clinica é que  possamos ir treinando a sensibilidade, a apreensão daquilo que se revela como absoluta singularidade na fala e no texto daquela pessoa. Muitas vezes se ouve falar na perspectiva clínica da palavra “escuta”.  Escutar o Outro. Seja ao ler um texto ou ao ouvir  a singularidade de uma pessoa, estamos diante desse texto, da língua dessa pessoa, do modo como ela se apresenta, numa posição hermenêutica. Hermenêutica se refere a Hermes, mensageiro dos deuses, e hermenêutica é essa perspectiva filosófica científica em que nós acessamos o sentido e o significado singular de um texto, ou de uma fala, na tentativa de poder acessar o que existe de próprio e que se revela na fala ou no texto de alguém.A seguir vou me alongar nos princípios fundamentais da hermenêutica.

COD: 6261
Categoria: Artes e Literatura na Formação clínica
Autor: Gilberto SafraEditora: Sobornost
Tipo: CD-MP3-Triplo 

voltar para Cursos e Conferências em DVD e MP3

left tsN fwB show|left tsN fwB bsd b01s|left show fwB bsd b01s|bnull||image-wrap|news fwB tsN fwR tsY b01 c05 bsd|normalcase fsN fwR c05|b01 c05 bsd|news login normalcase fwR b01 c05 bsd|tsN normalcase fwR c05|b01 normalcase c05 bsd|||